Não faça como o Hitchcock: em comunicação, vá direto ao ponto

É difícil encontrar profissionais que tenham o hábito de passar sua mensagem indo direto ao ponto. O formato pode variar de uma apresentação até um telefonema, não importa. Raras são as pessoas que escapam da armadilha de “contar a história antes” de dizer o que precisam. A dica de hoje da Harvard Business Review é ...

PowerPoint: vivo ou morto

Está na moda em corporações satanizar o PowerPoint: o pobre software é culpado pela falta de preparo e técnica de quem os usa. É como criticar uma tela em branco pelo resultado final da pintura. Já ouvi mais de uma vez que determinada empresa tinha abolido o PowerPoint. Houve até comemoração. “Agora sim, vamos poder ...

Neuroapresentações: respeite a mente de quem decide

Testemunhei vários assassinatos de boas idéias e carreiras por desrespeito ao funcionamento do cérebro de quem decidia. Apresento um  caso dos mais interessantes pois é muito, muito frequente. Assisti um  executivo comercial  experiente apresentar para o chefe de seu chefe seu plano de ação para virar o jogo em sua região que apresentava resultados muito ...

Apresentações sensíveis: considere as emoções de quem decide

Vi isso acontecer em 16 países. Os apresentadores estão tão concentrados em dar “o seu recado”, vendendo ou se defendendo, que desconsideram as emoções de quem os ouve. De acordo com a neurociência, e minha experiência, isso é trágico. As duas perguntas que fazem toda a diferença antes da apresentação, e que pouquíssima gente faz são:1)   Quais ...

Tributo a quem me ajudou muito: David Servan-Schreiber

Ele morreu com 50 anos, em julho desse ano. Um dos mais talentosos neurocientistas de sua geração e  um lutador. Se tornou mundialmente conhecido por dois livros que recomendo fortemente a todos. Um deles em especial mudou minha forma de pensar e de compreender o que eu deveria fazer para ter uma vida mais útil, ...

Neuromarketing: o que você vai fazer?

Aconteceu. Centenas de pessoas com dezenas de eletrodos em suas cabeças são estudadas diariamente para que empresas e governos entendam melhor as mentes de consumidores, eleitores e ... inimigos.  Neurocientistas em conjunto com executivos de marketing estudam as diferenças entre cérebros de crianças, adolescentes, idosos, mulheres, homens e mulheres grávidas com alguns objetivos claros: consumo e ...

Neuronegociação: acalme a amígdala cerebral com jeitinho

A última campanha presidencial americana ofereceu um exemplo interessante para quem curte a dimensão emocional da negociação ou persuasão. O estado da Flórida é importante para as eleições presidenciais e a equipe do então candidato Barack Obama  percebeu um problema por lá: havia um grande grupo de judeus idosos, cerca de 200 mil, que escolheram ...

Neuronegociação: como você “pinta” a situação?

Você trabalha com pessoas que são especialistas em “pintar quadros desesperados” das situações? Aquela turma que costuma chegar na sua mesa com uma expressão semelhante  à do quadro acima? Cuidado, eles fazem mal a saúde e nos emburrecem. A obra acima, “O grito” , do pintor expressionista norueguês Munch, ficou mundialmente famosa por sua capacidade ...

Suas idéias estão em que lugar na fila?

Você busca prioridade. As empresas normais têm uma fila de projetos ou idéias que aguardam sua vez. Todos os dias pessoas lutam para conseguir a atenção para suas necessidades através de apresentações ou relatórios que visam tirar uma boa idéia do papel. Transmitir idéias é mais uma daquelas coisas fundamentais que a educação tradicional não ensina, ...

Se a comunicação é essencial, vale a pena estudar o assunto?

É claro que sim. Minha vivência profissional estimulou minha curiosidade em julgar a qualidade da comunicação entre grupos de pessoas. Quando se passa muito tempo em reuniões entre pessoas com interesses distintos e por vezes opostos é crucial entender o que está acontecendo. Uma pergunta obrigatória quando um grupo de negociadores sai da sala é: ...